Mistura de festas!… Feliz Natal!

20
dez
2011

Autor: Alex Silva

Facebook | Twitter


Alex Silva

Minha vez de falar sobre o Natal, uma festa que pra muitos não passa de uma data, para outros nada além que a comemoração da aproximação de um novo ano. Mas para mim, além de servir como a segunda opção, também, é o niver do meu pai. Isso mesmo, 25 de Dezembro – e por pura ironia do destino a minha mãe faz aniversário no dia 24 de Dezembro, PQP!
 
Quando o Raphael me procurou pra sugerir o tema da semana, logo veio em mente sobre o que eu falaria: três relatos natalinos na minha vida.
 

 
O primeiro aconteceu quando eu ainda não passava de um pentelho perturbador da paz alheia, cerca de sete a oito anos de idade e ainda acreditava em PAPAI NOEL, talvez a única vez que realmente acreditei no velhinho com uns pesos a mais. Lembro vagamente que minha mãe me pediu pra fazer uma carta, então a fiz e entreguei a ela. Que ingênuo, não? Como toda criança não tem suas ambições impossíveis, na carta estavam escritos apenas dois itens: uma bola de futebol e carrinhos de corrida. No dia seguinte fui acordado por minha mãe que se questionava sobre um saco de presente no pé da minha cama… Quando abri, lá estavam os presentes que mais desejei naquele natal.
Lição na memória: Não importa quão simples é o presente. Se ele for dado com amor certamente ficará pra sempre na memória da criança. ;D

 
O segundo “relato” foi anos mais tarde. Não me lembro minha faixa de idade aproximadamente. Como eu e meu pai nunca fomos muito ligados um no outro e sempre acabávamos discutindo, sempre fui mais apegado com minha mãe. Certa vez decidimos passar o natal com uma tia minha que com certeza é muito ingênua; ela não tem maldades e isso é assustador. Enfim, uma vizinha dessa minha tinha que, por acaso é amiga da minha mãe, decidiu fazer parte da festa. Ao todo fomos eu, minha mãe, minha tia, a vizinha e seus dois filhos sendo um da minha faixa etária: Elvis. Foram providenciados bastantes salgados, bebidas, e tudo resultou em bastante diversão.
Lição na memória: encontramos a felicidade naqueles onde menos esperamos.
 

 
Por último e, mais recente de todos, o terceiro relato, o melhor natal que já tive em toda minha vida aconteceu ano passado durante minhas férias de verão do colegial, em Salvador. Ainda nem conhecia o site ATB (mesmo porque, não existia!). Rs. A festa foi feita embaixo do prédio onde passei as férias, com toda a vizinhança (um abraço galera do Garcia!). Como todos estavam envolvidos a “poluição sonora não foi problema; som de qualidade, claro que baiano (Chiclete com Banana, Ivete Sangalo, Cláudia Leitte), salgados e de tudo que era tipo e doces também, refris e bebidas alcoolicas – fui proibido de tomar um vinho EM PLENO NATAL só porque estava tomando cerveja. ¬¬ A festa começou durante a noite do dia 24 de Dezembro, aniversário da minha mãe e só acabou às quatro horas e meia da madrugada do dia seguinte (25 de Dezembro). Dancei (pagode… poha eu tava bêbado mesmo), cantei, bebi, comi, baguncei, em suma, uma festa perfeita.
Lição na memória: nunca misture cerveja com vinho tinto. Ou misture. kkkkkkkkkk’
 
O Natal de uma forma ou de outra se trata de uma festa. Diga aqueles que se trata de uma festa horrível por se tratar da morte de Jesus ou, não. Eu sou agnóstico, porém adoro a festa.
 
Queria desejar um FELIZ NATAL PARA TODOS, e já deixar aqui na rede, antecipadamente, os meus desejos de feliz aniversário para a minha mãe e para o meu pai.

Autor: Alex Silva

Facebook | Twitter



Participe! Deixe seu comentário abaixo: