Pra quem nunca ouviu falar de Celso Blues Boy

08
ago
2012

Autor: Raphael Ferreira

Facebook | Twitter | Site


Raphael Ferreira

 
Celso Blues Boy (nascido Celso Ricardo Furtado de Carvalho) foi um cantor, compositor e guitarrista brasileiro, falecido na última segunda (06 de Julho de 2012) em decorrência de um câncer na garganta.
 
Para muitos, o maior guitarrista brasileiro, além de pioneiro no blues nacional. Começou a tocar profissionalmente na década de 1970, acompanhando “Raul Seixas” e “Sá & Guarabyra”. Montou a banda “Legião Estrangeira” em 1976, com a qual se apresentava em bares e casas de shows. Passou a ser mais conhecido a partir de 1980, quando mandou uma fita para a Rádio Fluminense, no Rio, voltada para o repertório de rock.
 

 
Gravou o primeiro disco em 1984, “Som na Guitarra”, que incluía seu maior sucesso: “Aumenta que Isso Aí É Rock’n Roll” (video acima). Um dos primeiros a cantar blues em português, escolheu o nome artístico em homenagem ao ídolo B.B. King (um dos pais do gênero), com quem também tocou na década de 1980 e despertou sua total admiração. Durante um show de B.B. King no Brasil em 1986, Celso foi chamado ao palco e recebeu do próprio B.B. King a sua guitarra “Lucille” (honra que nenhum outro guitarrista tinha tido até então) para que mostrasse o seu talento (video abaixo):

 

 
No fim de sua vida morava em Joinville, Santa Catarina. Foi um ilustre torcedor do Vasco da Gama, tendo participado do Megashow comemorativo dos 113 anos do clube, onde tocou em sua guitarra o hino do clube.
 
Sua discografia:
1984 – Som na Guitarra.
1986 – Marginal Blues
1987 – Celso Blues Boy 3
1988 – Blues Forever
1989 – Quando a noite cai
1991 – Ao vivo – Celso Blues Boy
1996 – Indiana Blues
1998 – Nuvens Negras Choram
1999 – Vagabundo errante
2008 – Quem foi que falou que acabou o rock n’ roll? (DVD ao vivo, Gravado no Circo Voador)
2011 – Por um monte de cerveja
 

 
Na minha opinião, um dos nomes mais importantes da música brasileira, embora, lamentavelmente pouco reconhecido pelo grande público por seu trabalho, já que não era frequentador da midia, sempre foi um artista independente, um gênio, um monstro na guitarra e no blues. Tive a honra de conhecê-lo (foto acima minha com o Celso na ocasião) no ano de 1999 (ou 2000, salvo engano), e desde então cruzei com ele nos bastidores de pelos menos outros 3 shows que ele fez. Sempre muito atencioso com os fãs, humilde, parou pra tomar cerveja e jogar conversa fora com a gente depois de todos os shows. Sempre bem humorado, gozador de primeira, de personalidade impar. Uma pessoa fantástica! Vai fazer muita falta no cenário musical brasileiro.

Autor: Raphael Ferreira

Facebook | Twitter | Site



Participe! Deixe seu comentário abaixo: