Se ele não educa, deixa que eu faço!

22
nov
2011

Autor: Alex Silva

Facebook | Twitter


Alex Silva

Conviver com irmão menor não é uma tarefa fácil. Ainda mais quando seus pais resolvem “passar a mão na cabeça” e ignorar todos os requisitos básicos pra uma boa educação. Fui criado por avó e quando era criança tive uma educação considerada quase exemplar; não batia os pés no chão em lugares públicos quando queria algo e recebia um “não” e muito menos tomava a liberdade de gritar com um adulto. Pedir água na casa dos outros? Só com permissão da minha avó, caso contrário tomava uma surra e era obrigado a “engolir” o choro. Quem nunca passou por essa última fase?
 
Hoje me deparo com meu irmão, criado por meu pai e que não tem uma educação adequada. Afinal criar um filho não é só dar amor, mas educar também. Não adianta dizer que fica com pena quando a criança faz cara de choro, afinal elas nascem programadas pra isso. Rs.
 

 
O CASTIGO
Toda criança precisa experimentar um pouco disso. Seja ficar sentado numa cadeira, ser proibido de algo (como assistir TV, jogar videogame, etc.). O certo é impor autoridade. Dizer “não” como se diz uma simples resposta, não vai ajudar. É preciso mostrar que você está acima das picuinhas do pirralho (=P).

Se ele grita você não pode gritar mais alto, se não ele verá isso como um belo desafio o que se encaixaria como uma brincadeira na mente dele. Também é necessário um filtro pra deter a empatia contra a carinha de choro (ou cachorro carente) que a criança fará, portanto, nesses momentos de quase choramingos, você precisa distraí-lo; serve falar que ele poderá sair do castigo “daqui a pouco”, mas apenas se ficar quieto.
 

 
PSICOLOGIA INFANTIL
Há algum tempo li algo com esse subtítulo anterior e vou explicar pra vocês. (…) Quando uma criança lhe bate, belisca ou coisa do tipo (e tendo essa criança dos três anos pra baixo) ela não sabe que isso dói mesmo você dizendo (afirmando). Seria algo como descontar na mesma moeda; se ela lhe der um tapa você reage da mesma forma (mas cuidado com a força, pois a criança é pequena e bem menos resistente que você). Mas veja que isso seria de uma perversidade sem igual, pois se ela lhe beslicar, por mais fraco que você tente isso vai doer dolorosamente no corpo do coitado. O mesmo serve pra mordidas. Por isso prefiro o uso da cadeirinha (o castigo). A não ser que seja um tapa de leve na PALMA DA MÃO. – Não sei se essa é a verdadeira psicologia infantil quando se trata desse assunto.
 

 
CONVIVÊNCIA
Eles vivem descobrindo um mundo que pra eles é fascinante. Coisas que já vimos tantas vezes e/ou há tanto tempo que agora não tem mais graça; como é o caso de bebês que preferem brincar com a caixa do brinquedo do que com o tal. Isso porque sua criatividade se concentra na caixa e não no brinquedo. É bom desenvolver sua paciência porque você vai precisar muito dela. Em princípio não sabem o que é certo ou errado. E gritar com eles não vai adiantar nada, apenas irá assustá-los, o que não é legal, pois a criança cresce reprimida, tímida e etc.
 
Eu não tenho como objetivo nesse post falar como tratar uma criança, até porque não sou um especialista ou um expert na área. Apenas citei indiretamente a minha convivência com meu irmão mais novo, de forma dissertativa. Se você tiver algo a acrescentar, uma idéia ou teoria, use a área dos comentários para expressar. Mas se for algo “particular”, envie um e-mail pro endereço no final do post.
 
“Por hoje é só, pessoal!” (Perna-longa)

Autor: Alex Silva

Facebook | Twitter



Participe! Deixe seu comentário abaixo: